terça-feira, 27 de agosto de 2013

Um Governador

Miguel Arraes governador de Pernambuco, Seixas Dória governador de Sergipe, Mário Lima deputado federal do PSB e presidente do Sindicato dos Petroleiros da Bahia, e tantos outros, foram deportados para Fernando de Noronha logo depois do golpe de 1964.

Arraes no palácio em Recife, Seixas no palácio em Aracaju, Mario Lima no palácio em Salvador, foram intimados a renunciar a seus mandatos sob pena de serem presos. Não renunciaram. Foram presos.

O governador do território, comandante daBase Militar, era o coronel Costa e Silva, que não era parente do então ministro do Exército. O coronel conversava muito com Arraes e Seixas Dória. Perguntou-lhes: - De que é que os senhores sentem mais falta? Arraes e Mario ficaram calados. Seixas brincou: - De um chope gelado, coronel.

Arraes Algum tempo depois, o coronel apareceu à meia-noite no alojamento dos três e convidou-os para um chope no cassino dos oficiais. E explicou: - Chamei-os só agora, a esta hora da noite, porque chegou hoje de Recife um coronel para fazer uma inspeção, pois um jornal pernambucano disse ontem que os senhores não estão presos mas veraneando aqui. 

E ficaram bebendo o chope e conversando coisas. De repente, empurram a porta, entra o coronel inspetor. Todo mundo em silêncio, ele se dirige ao coronel Costa e Silva: - Coronel, estou constatando a veracidade da informação do jornal do Recife de que os governadores estão aqui veraneando.

O coronel Costa e Silva levantou-se: -Coronel, fico satisfeito com seu depoimento, porque se amanhã o senhor for preso, certamente pedirá para vir para Fernando de Noronha, pois sabe que aqui há um comandante que respeita a dignidade humana. Os coronéis saíram e os três continuaram a tomar o chope. 

Eram três homens sem mascara. Como outros pelo País a fora (eu inclusive), Arraes, Seixas, Mario, preferirem honrar os mandatos que receberam do povo em vez de negociá-los por uma humilhante liberdade. Os homens públicos se definem assim. Na hora da decisão, têm que ter a coragem de ficar sem máscara. Para cobrar dos outros que fiquem também.

* Sebastião Nery para o DCI

Nenhum comentário: