terça-feira, 29 de julho de 2014

Criação do Dia Nacional do Teatro Acessível é aprovado com parecer favorável da deputada Sandra Rosado

(A) A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou em caráter conclusivo parecer da deputada Sandra Rosado que ao Projeto de Lei 6139/13, do deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) e outros, que institui o “Dia Nacional do Teatro Acessível: Arte, Prazer e Direitos”, a ser celebrado em 19 de setembro.

A ideia é que a data ajude a divulgar a cultura por meio de atividades cênicas que utilizem práticas de acessibilidade física e comunicativa a pessoas com deficiência. Os membros da CCJ acompanharam o voto da relatora Sandra Rosado pela constitucionalidade e juridicidade do texto.


Como foi aprovada em caráter conclusivo, a proposta seguirá agora para análise do Senado, exceto se houver recurso para que passe antes pelo Plenário da Câmara. A campanha “Teatro Acessível: Arte, Prazer e Direitos” foi idealizada e lançada pela organização não governamental Escola de Gente – Comunicação em Inclusão em junho de 2011, a fim de disseminar pelo Brasil a cultura e a prática do teatro acessível. (Fonte: Agência Câmara Notícias).

sábado, 26 de julho de 2014

PSB lança neste sábado candidaturas de Sandra e de Larissa Rosado



(A) Neste sábado (26), o PSB de Mossoró oficializa o lançamento da campanha eleitoral da deputada federal Sandra Rosado e da deputada estadual Larissa Rosado. A largada se deu pela manhã, às 7h, quando as deputadas lideraram visita à popular Feira da Cobal. Em seguida, as candidatas à reeleição caminham no Centro de Mossoró, da Rua Mário Negócio às imediações do Mercado Central, onde haverá ato político, com presença de vereadores, comunitários e outras lideranças políticas. 

A programação da manhã será aquecimento para ponto alto, às 19h, no Kikos Eventos, bairro Nova Betânia, com o lançamento da campanha da coligação União pela Mudança em Mossoró, que apoia Henrique Eduardo Alves Alves ao Governo do RN. Além do candidato a governador, confirmaram presença os postulantes a vice-governador, João Maia, ao Senado, Wilma de Faria, outros candidatos e lideranças políticas da região. O ato promete ser o maior da atual campanha em Mossoró. 



“A reunião é aberta ao povo, e todos são convidados a participar desse evento, que será um marco na sucessão estadual no Rio Grande do Norte, a partir de Mossoró”, convida o presidente do PSB Mossoró, vereador Lahyre Rosado. (Fonte: Da Fan Page da deputada Sandra Rosado).

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Semana Mundial de Amamentação é reforçada em Mossoró com projeto de Lairinho

(A) De 01 à 07 do próximo mês acontece a Semana Mundial de Amamentação. Em Mossoró, que conta com um Banco de Leite, a ação é reforçada por um projeto do vereador Lairinho Rosado (PSB) que propõe folga para servidora pública municipal doadora de leite materno. 

À nível de Rio Grande do Norte, a Semana Mundial de Amamentação contará com várias atividades para celebrar a data. Com o lema "Amamentar é mais saúde para a vida inteira", a programação no estado potiguar tem início no dia 04 de agosto com palestras e mesa-redonda na Associação Médica do RN, em Natal, para os profissionais de saúde da Atenção Básica, maternidades e bancos de leite da Região Metropolitana.


Mossoró também terá uma programação especial. O município em parceria com o Banco de Leite vai promover palestras educativas e ações sobre a importância do leite humano para o desenvolvimento das crianças e os benefícios que o ato de amamentar traz às mulheres, como a prevenção dos cânceres de colo de útero e de mama.

Folga para servidora doadora de leite

Durante seu primeiro mandato, o vereador Lairinho Rosado (PSB) propôs folga para a servidora municipal doadora de leite materno. O Projeto de Lei 87\09 foi apresentado logo no primeiro ano da atuação legislativa do parlamentar. 

A Proposição, aprovada e sancionada, cria critérios para que seja dado um dia de folga para a servidora pública municipal doadora de leite materno, como uma forma de incentivo a prática. "Seguindo critérios médicos, a servidores pública municipal que fizer 20 sessões de doação de leite materno, terá um dia de folga como forma de incentivar esta prática", explicou Lairinho na época da apresentação da então PL. 




Com o lema “Amamentar é mais saúde para a vida inteira”, - See more at: http://www.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=36150&ACT=&PAGE=0&PARM=&LBL=ACERVO+DE+MAT%C9RIAS#sthash.39xhTxKk.dpuf

terça-feira, 22 de julho de 2014

Sandra Rosado dá parecer favorável para projeto que destina ônibus apreendidos para transporte escolar

(A) A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou hoje (16) o Projeto de Lei 6711/09, que destina os veículos de transporte coletivo de passageiros (ônibus ou micro-ônibus) apreendidos pela fiscalização alfandegária e objeto de perdimento (perda de bens em favor da Fazenda) ao transporte escolar municipal.

A proposta recebeu parecer favorável da relatora, deputada Sandra Rosado (PSB-RN), que recomendou apenas um ajuste na numeração dos parágrafos e de redação. Como tramitava em caráter conclusivo, o projeto segue para sanção presidencial, a menos que haja recurso para votação em Plenário.

Conforme a proposta, do Senado, a distribuição dos veículos entre as prefeituras obedecerá a uma lista de prioridade elaborada anualmente pelo Ministério da Educação (MEC).

A proposta altera o Decreto-Lei 1.455/76, que hoje determina que as mercadorias irregulares apreendidas pela Receita Federal devem ser destinadas à compra por pessoas físicas e jurídicas, por meio de leilão; à incorporação por órgãos públicos das diferentes esferas da administração; e à doação a entidades sem fins lucrativos. As mercadorias também podem ser destruídas. (Do site do PSB Nacional).

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Artigo: Vida curta

(A) Dia desses estava olhando fotos antigas, relembrando momentos em diversos lugares por onde andei, pessoas diferentes, épocas distintas. A nostalgia, por mais incrível que possa parecer, anda comigo desde a adolescência. Já nasci com saudade. Muitas vezes digo que se fosse possível viajar no tempo, não iria ao futuro, mas ao passado. Quando percebo que algumas destas fotos foram tiradas há vinte anos, me bate uma tristeza, uma vontade de estar lá e ao mesmo tempo uma sensação gostosa de saber que aproveitei as oportunidades. 

Queria voltar no tempo. Fazer tudo de novo. Os erros e os acertos. Não seria o homem que sou se não tivesse vivido cada detalhe que vivi, se não tivesse conhecido cada pessoa que conheci. Aqui e acolá ouço alguém dizer que sou um cidadão do mundo. Minha mãe diz ter curiosidade em saber como conheço tanta gente ao redor do Brasil e em tantos outros países. E o que seria da vida sem as lembranças? E o que seriam as lembranças se não fossem as pessoas que encontramos? Mesmo tanto tempo depois, ainda sinto um aperto no coração, lembro nomes, datas e lugares ao ver as fotos. 

Aos 35 anos creio estar na metade da passagem por esta vida. Posso viver por mais 35, posso viver bem mais do que outros 35, mas também posso partir antes. Quem tem a certeza? Friederich Nietszche escreveu sobre a teoria do eterno retorno, a religião prega a imortalidade da alma, o espiritismo e outras doutrinas e religiões defendem sucessivas reencarnações até que atinjamos a perfeição do espírito. É o que consola. Acreditar que já tive e que terei outras vidas. Uma vida terrena é muito curta, companheiro. Curtíssima. Às vezes fico imaginando como deve ter sido intensa a vida de pessoas como Vinícius de Morais, Ernest Hemingway ou Juscelino Kubitschek. Cheios de amigos, admiradores, experiências engraçadas, doloridas, extasiantes.

A impressão que se tem é que a vida de figuras desse gabarito duram ao menos duzentos anos. Na verdade, não precisa ser cantor, jornalista ou presidente para se ter uma vida que valha a pena. Se da vida só levamos a vida que vivemos, cada um a seu modo aproveita a passagem. A alma não envelhece, mas cresce, evolui. Hoje tenho uma filha com quatro anos. Idade que tinha nas minhas mais distantes lembranças. Lembro do aniversário, do palhaço Cocada, do gramado onde depois foi a piscina da casa, do pé de azeitona roxa, do bolo, de alguns amigos que lá estavam, do choro para abrir os presentes. Minha Maria lembrará do que acontece hoje quando chegar aos 35? Eu, se chegar aos 70, terei ainda tão vivo na memória todas essas lembranças? O cérebro abrigará memória, lembranças?

Sempre tive tudo que precisei e boa parte do que quis, graças a Deus e ao esforço de meus pais no trabalho e na educação dos filhos. Todos queremos dar aos nossos filhos mais um pouco do que tivemos. Quando criança, aprendemos na escola que o sujeito nasce, cresce, reproduz e morre, mas a vida não é uma regra matemática. Temos muitos “senão” entre o nascimento e a morte. A cada um de nós é dado o direito ao livre-arbítrio. Não há justiça tão correta como a Divina. Tudo tem causa e efeito. Plantamos e colhemos. Culpar os outros ou atribuir ao céu ou inferno por tudo que nos acontece não me parece ser o caminho mais acertado. 

Há vários exemplos de pessoas que tiveram todas as oportunidades para contribuir com a comunidade, fazer o bem, mas nada fizeram. Por outro lado, também são muitos os exemplos daqueles que sofreram com toda sorte de problema e limitação, mas nem por isso deixaram de praticar o bem, de ajudar o próximo. As fotos que tanto gosto de olhar me dão saudade dos lugares, das pessoas, das experiências. Servem de alerta para lembrar quão curta é a vida. 

O que cada um de nós fazemos com nossas vidas é de nossa total responsabilidade. Encontrar culpado pelos problemas não nos ajudará na superação. Santo Agostinho se perguntava todas as noites se tinha feito algo de positivo, se poderia fazer algo mais, se havia magoado alguém. Não há juiz melhor que nossa consciência. A vida é muito curta para se perder tempo se lamentando. (Artigo do vereador Lairinho Rosado no jornal O Mossoroense de 20 de julho de 2014).

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Candidatura é para ganhar a eleição, diz Eduardo Campos

(A) Presidente Nacional do PSB e candidato à Presidência da República pela coligação Unidos Pelo Brasil, Eduardo Campos, reafirmou que entrou na disputa para ganhar a eleição e mudar os rumos do Brasil. Durante sabatina promovida pela Folha de S.Paulo (em parceria com o portal UOL, a rádio Jovem Pan e o SBT), o político socialista voltou a criticar o governo federal, rebateu críticas à política de alianças que sustentará seu projeto nos Estados e garantiu representar, junto com sua candidata a vice, a ex-senadora Marina Silva, fundadora da Rede Sustentabilidade; a alternativa mais progressista para colocar o Brasil no prumo. 

“Nós não somos terceira via não”, avisou. “Nós somos a via para tocar o Brasil em frente, para colocar o Brasil em um ciclo de mudança pra melhor”, acrescentou. “O Brasil vai tirar Dilma porque esse modelo esgotou-se”, afirmou. “Mas o Brasil quer botar alguém que leve o país para um futuro, que preserve as conquistas, que interprete os valores que estão em disputa no mundo”. Durante pouco mais de uma hora, Eduardo conduziu uma conversa franca, em que respondeu perguntas de quatro entrevistadores, da plateia e de internautas, sem fugir de nenhum assunto. 

Sereno, firme e à vontade, o presidenciável afirmou que não disputa a eleição de 2014 pensando em um segundo mandato e reiterou que trabalhará para extinguir a reeleição. “Sou a favor dessa proposta, meu partido é a favor dessa proposta. Não tenho o projeto de disputar uma reeleição”, disse. O candidato voltou a reconhecer o legado das administrações do PSDB e do PT, mas frisou que o governo Dilma Rousseff vem colocando em risco conquistas recentes do país. “A receita econômica de Dilma é equivocada”, comentou. Para ele, é preciso dar transparência aos indicadores econômicos do país e voltar a pensar o Brasil de modo estratégico. “Tem como tirar o Brasil desse atoleiro e o compromisso com a meta de inflação é importante”. 

Eduardo rechaçou ilação de que pudesse estar vendendo ao país uma ilusão: “Não estou vendendo ilusão, pois tenho experiência de gestor e quem já trabalhou comigo sabe que eu trabalho com planejamento e meta”, respondeu. “Tenho certeza de que conosco o Brasil vai chegar ao final de 2015 melhor do que está em 2014”. Eduardo fez uma avaliação crítica da administração da presidente. Para ele, Dilma Rousseff perdeu a oportunidade de conduzir as mudanças que prometeu e tem imposto decepção à população. Esse quadro de desânimo, comentou, transparece também no diálogo que vem mantendo com o eleitor do Nordeste, região que garantiu ampla votação à presidente em 2010. 


“Há uma decepção com Dilma no Nordeste”, afirmou, declarando-se o candidato da região. “Eu vou ganhar a eleição no Nordeste, que vai me ajudar a ganhar a eleição no Brasil”, vaticinou. O presidenciável relativizou o cenário retratado pelas últimas pesquisas de opinião e previu que a partir de agosto, com o avanço do processo eleitoral e da campanha, suas intenções de voto estarão traduzindo o maior conhecimento de seu nome e das propostas da aliança. Provocado sobre seu relacionamento com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que na avaliação dos jornalistas seria poupado de críticas pelo socialista, o presidenciável foi claro: “Ele não está disputando a eleição. O nosso debate é com Dilma. Ela é a candidata do PT”, afirmou. 

 “As expectativas é que ela corrigisse as falhas do governo dele, o que não aconteceu”. Perguntado sobre o escândalo do mensalão, cujo processo já foi encerrado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Eduardo Campos disse que tendo havido uma decisão da mais alta corte do Judiciário, não há mais o que discutir. “Eu acho um horror”, declarou. “Eu não tive nada a ver nem com a compra da reeleição nem com o mensalão. Mas não cabe debate político depois de uma decisão do STF”. (Fonte: Assessoria de Imprensa do PSB Nacional).

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Incluída em lista de impugnação, Larissa já está absolvida pelo TSE

(A) A deputada estadual Larissa Rosado (PSB) não tem nenhum impedimento jurídico para disputar reeleição. A garantia é do advogado Marcos Lanuce, ao comentar inclusão da parlamentar na lista de pedido de impugnação de candidaturas para a eleição de outubro, oficializada nessa terça-feira (15) pela Procuradoria Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte.

"Quero tranquilizar a população norte-rio-grandense que não há nenhum óbice à candidatura da deputada Larissa Rosado. O processo ao qual havia sido condenada foi reformado pelo TSE a a parlamentar não incide em nenhuma causa de inelegibilidade. Larissa não tem nenhuma pendência que possa macular o seu registro de candidatura", afirmou o advogado.

Lanuce lembrou que o TSE entrou em recesso logo após a conclusão do julgamento, o qual Larissa venceu por 5 x 2, no último dia 1°. "Por isso o acórdão do julgamento ainda não foi publicado, o que será feito após o recesso. Como já houve o julgamento e não há a publicação devido ao recesso, a inelegibilidade da deputada já é questão superada", explicou.

"Ou seja, antes mesmo da publicação do acórdão, por força de liminar, a inelegibilidade da deputada encontra-se suspensa por decisão do presidente do TSE", informou. O advogado diz ter recebido a notícia com pedido de impugnação de forma natural. (Fonte: Jornal O Mossoroense). 

terça-feira, 15 de julho de 2014

‘Agenda de mudanças inclui passe livre e escola em tempo integral’, afirma Eduardo em sabatina

(A) Eduardo Campos, candidato à Presidência da República pela Coligação Unidos pelo Brasil,  afirmou, durante sabatina promovida pelo jornal Folha de S.Paulo, que a agenda de mudanças de seu governo incluirá a implantação de escola em tempo integral em todo o país e a adoção do passe livre para estudantes.

“É uma hora de escolhas. Nós queremos desenvolvimento, mas desenvolvimento com sustentabilidade. Nós queremos inclusão, mas não inclusão que gera dependência, mas que liberta. Essa será dada por educação em tempo integral. Para isso, tem muito estudante pobre que precisa ter passe livre”, disse no evento realizado pela Folha em parceria com o portal UOL, o SBT e a rádio Jovem Pan.

“Aí a gente tem de fazer escolhas. Entre subsidiar os juros para grandes empresas e arrumar a passagem para o estudante da periferia chegar à escola, aí nós somos do time que vai optar pela educação integral e pelo passe livre para aqueles estudantes”, afirmou aos jornalistas Ricardo Balthazar (Folha), Josias de Souza (UOL), Kennedy Alencar (SBT) e Patrick Santos (Jovem Pan).  “Nós não somos terceira via, não, somos a via para tocar o Brasil em frente, para tocar o Brasil num ciclo de mudanças para melhor.”


Eduardo Campos disse que a população brasileira exige mudanças. “O Brasil não aguenta mais é essa disputa, onde o PT diz que o PSDB não fez nada pelo Brasil, e isso não é verdade, e o PSDB diz que o PT é um partido cheio de corrupto que não fez nada pelo Brasil. Isso é outra inverdade. A verdade é que o Brasil deseja mudar. O Brasil vai tirar Dilma, porque esse modelo esgotou-se. Mas o Brasil quer alguém que leve o Brasil para um futuro.”

Segundo o candidato, a presidente Dilma “vai ficar reconhecida por entregar o país pior do que entregou. Itamar Franco entregou melhor, Fernando Henrique Cardoso e Lula também”. Eduardo afirmou que a presidente “não teve capacidade política de entender a importância histórica dela nesse momento, que era de preservar as conquistas sociais alcançadas pelo país. E ela que se dizia a gerente, a desenvolvimentista, vai entregar o menor crescimento. Disse que iria reduzir os juros e entrega os juros altos”, afirmou. (Fonte: http://www.eduardoemarina40.com.br).

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Artigo: Saldo da Copa 2014

(A) A primeira coisa a se fazer ao analisar a Copa do Mundo da Fifa 2014 realizada no Brasil é separar o futebol de todo o resto. A seleção brasileira foi a maior vergonha da pátria que tem no futebol a maior paixão em comum do povo brasileiro. O "resto" a que me refiro tem muita coisa positiva e muita coisa negativa. Não sou analista esportivo, apenas torcedor do Potiguar de Mossoró e do Flamengo, mas voltando à seleção, ficamos desesperadamente humilhados pela maior derrota da nossa história. Perdemos com um time fraco montado por um técnico turrão, cabeça dura e que insistiu por estratégias terrivelmente equivocadas.

Falando sobre outros aspectos da Copa, tivemos problemas como superfaturamento em obras. Para se ter ideia, o Estádio Nacional Mané Garrincha, de Brasília, estava orçado em R$ 745 milhões, terminou custando R$ 1,6 bilhão. As constatações dos tribunais de contas nos estados e da União apontam que em diversas outras obras houve sobrepreço. Essa é, sem dúvida, a maior vergonha fora de campo que o país poderia sofrer. Além do sobrepreço nas obras, muitas foram anunciadas desde que o Brasil foi escolhido como país-sede. Boa parte delas sequer saiu do papel, menos de 50% ficaram prontas antes dos jogos. 

Em Natal, por exemplo, muitas obras sequer foram iniciadas, outras tantas que saíram do papel não foram concluídas. Algumas foram entregues ao redor da Arena das Dunas. Isso se repetiu em todo o país. A qualidade das obras é outro problema relevante. Em Belo Horizonte, um viaduto desabou, deixando dois mortos e vinte e três feridos. Muitos casos de estradas e ruas construídas para a Copa se mostraram de péssima qualidade, não suportando chuva ou grande movimento. Isso sem contar nas mortes de trabalhadores durante a construção dos estádios. 

Como que passando recibo e assumindo a incompetência, para comprovar a falta de infraestrutura de mobilidade urbana, o Governo Federal resolveu decretar feriado nas cidades-sede nos dias de jogo. Muitas categorias fizeram greves justamente no período dos jogos, o que resultou em problemas para as pessoas que precisaram dos serviços públicos. A segurança nos estádios foi excepcional, quase perfeita, mas longe deles a guerra urbana continuou. Em Natal, em um único final de semana de jogo houve 22 homicídios. Fora das cidades-sede, a realidade não se alterou em absolutamente nada. Mossoró, por exemplo, segue inerte assistindo à barbárie que toma conta da cidade.

Por outro lado, o povo brasileiro só recebe elogios dos milhares de turistas. O maior patrimônio do Brasil é o seu povo. Nunca duvidei disso. Os números dos frutos econômicos ainda estão sendo auferidos, mas com relação a Natal (ainda não foi divulgado nada relacionado ao RN como um todo), os turistas que estiveram na cidade durante a Copa injetaram R$ 334 milhões no comércio da cidade, principalmente com alimentos, bebidas, hospedagem, transporte e compras em geral. O índice de ocupação dos hotéis foi elevadíssimo. Isso somente durante o período da Copa.

Por muitos anos, o país colherá frutos pela realização da Copa. Dos cerca de R$ 30 bilhões gastos para realização do evento, cerca de R$ 8 bilhões foram para estádios, o resto foi todo investido em infraestrutura, segurança e outras áreas. Essas obras não vão embora junto com o sonho do hexa depois da humilhação diante da Alemanha. A publicidade espontânea gerada pelos jogos e reportagens sobre os lugares, costumes, o povo brasileiro, as belezas natrurais, calor humano etc, etc, etc ainda vão trazer muita gente ao país. O turismo é o setor da economia que mais movimenta recursos no planeta.

O saldo da Copa, de um modo geral, é, na minha opinião, positivo. Não no futebol da seleção, claro. (Artigo do vereador Lairinho Rosado no jornal O Mossoroense de 13 de julho de 2014).

sábado, 12 de julho de 2014

Eduardo Campos defende aliança formada pelo PSB e PMDB no Rio Grande do Norte

(A) Candidato à Presidência da República pelo PSB, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos cumpriu agenda em Natal ontem, 11, ao lado de lideranças do partido, como a vice-prefeita e candidata ao Senado, Wilma de Faria, e a deputada federal Sandra Rosado, além de deputados estaduais, como Larissa Rosado, Márcia Maia e Tomba Farias. As atividades do presidenciável no Rio Grande do Norte foram iniciadas às 7h30, quando concedeu entrevista à Rádio Cidade de Natal, oportunidade em que defendeu a aliança formada no Estado entre o PSB e o PMDB.
"Do ponto de vista administrativo e político que o Rio Grande do Norte chegou, precisou se criar uma frente ampla para enfrentar o caos. Meu partido no RN convenceu o diretório nacional de que precisava participar deste momento de união pelo bem do Estado", declarou, acrescentando que essa união "acontece como nas nossas famílias, quando temos que nos ajudar. Eles (Henrique e Wilma) entenderam que é hora de todo mundo se unir para melhorar o RN".


Dando sequência à agenda no RN, o candidato do PSB concedeu entrevista coletiva à imprensa por volta das 11h30. Na conversa com os jornalistas, Eduardo Campos criticou o governo Dilma e afirmou que o Brasil vive o pior crescimento da história da República. "Dilma foi eleita para preservar as coisas boas que Lula fez e corrigir as coisas que estavam erradas, mas ela não fez. Jogou essa oportunidade pela janela", frisou.

Ainda na coletiva, o ex-governador criticou a forma como a região Nordeste é tratada durante as eleições. "O Nordeste é onde nasci. Conheço nossa gente, nossos sonhos. Muito me incomoda falar do Nordeste como curral eleitoral ou uma urna. Queremos ser olhados como gente, vendo nossas potencialidades, nos enxergando com respeito", comentou.

Em conversa com o Portal Difusora, de Mossoró, Eduardo Campos garantiu ainda que uma de suas prioridades no Rio Grande do Norte, caso vença a eleição de outubro, será a duplicação da BR-304, que liga Natal ao município de Mossoró. O socialista revelou também que buscará soluções para o problema da seca no Estado.

A agenda de Eduardo Campos em solo potiguar teve prosseguimento à tarde e à noite, quando foi recebido pelo arcebispo metropolitano de Natal, dom Jaime Vieira Rocha, participou de caminhada no centro da cidade, na rua João Pessoa, e ainda concedeu entrevista ao programa Repórter 98, transmitido pela Rádio 98 FM. (Fonte: Jornal O Mossoroense de 12 de julho de 2014).

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Eduardo Campos adia agenda em Mossoró prevista para esta sexta-feira

(A) O candidato a presidente da República Eduardo Campos (PSB) adiou agenda de campanha em Mossoró, prevista para esta sexta-feira (11). Compromissos no Maranhão, nesta quinta-feira (10), impedem presença do postulante em Mossoró e Natal, no mesmo dia.

Para conciliação de agenda, o presidenciável cancelou a programação em Mossoró, amanhã de manhã, e manteve a da capital, à tarde. Campos agendará outra data para fazer campanha em Mossoró, em conjunto com PSB mossoroense.


Em Natal, o candidato dará entrevista coletiva, às 10h30, no Arituba Park Hotel; gravará programa eleitoral, visitará o arcebispo Dom Jaime Viera Rocha, caminhará no Centro da cidade e participará de programas de rádio e TV. (Fonte: Site do jornal O Mossoroense).

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Eduardo Campos cumpre agenda em Mossoró e Natal nesta sexta-feira

(A) Nesta sexta-feira (11), o candidato a Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, visitará as cidades de Natal e Mossoró. Na agenda, o ex-governador do estado de Pernambuco participará de atos públicos e concederá entrevistas a jornais, TV´s, rádios e blogs dos dois maiores colégios eleitorais do estado.

Em Mossoró, ele participará de uma caminhada pelas ruas da cidade. Já em Natal, terá encontro com o arcebispo Dom Jaime Vieira Rocha, participando também de uma caminhada pelas ruas da capital. O presidente Nacional do PSB e candidato à Presidência da República pela coligação Unidos Pelo Brasil, Eduardo Campos, e sua candidata a vice, Marina Silva, inauguraram sua campanha na comunidade do Sol Nascente, em Brasília (DF) neste domingo (06).


E nesta segunda-feira (07), Eduardo Campos participou de reunião com todos os presidentes estaduais do PSB. Na ocasião, ele destacou a necessidade de organização das agendas estaduais, criação de pautas e da mobilização de todos para uma campanha representativa e limpa. Prestigiarão a agenda a deputada federal Sandra Rosado e a deputada estadual Larissa Rosado, candidatas à reeleição; o presidente do PSB de Mossoró, vereador Lahyre Rosado Neto; e a candidata ao Senado Wilma de Faria e outros líderes.


Agenda de Eduardo Campos no RN

7h30 às 8h30: Caminhada pelas ruas de Mossoró

Concentração – COBAL, Rua Marechal Deodoro

Roteiro: Rua Mario Negócio até o Mercado Central (Praça da Independência)

8h45 às 9h45: Entrevista Coletiva

ACIM – Rua Santos Dumont, Centro

10h: Entrevista ao programa Observador Político na TV Mossoró e FM 93FM

Avenida Juvenal Lamartine, 06, Centro

11h30: Deslocamento para Natal

12h30: Chegada ao Aeroporto Internacional Governador Aluizio Alves, em São Gonçalo do Amarante

13h às 14h: Gravação e entrevista na TV Ponta Negra (SBT) – Jornal do Dia

Rua Presidente Quaresma, 997, Alecrim

14h15: Visita a Dom Jaime Viera Rocha – Arcebispo Metropolitano

Igreja Matriz de Natal – Avenida Deodoro, Centro

15h15 às 16h: Entrevista Coletiva (TVs, Rádios, Jornais e Blogs)

Arituba Park Hotel – Avenida Hermes da Fonseca, 1542, Tirol

16h15: Caminhada no Centro da cidade

Concentração na Praça 7 de Setembro, Centro

Roteiro: Rua Ulisses Caldas, Princesa Isabel até o Café São Luiz

18h às 18h45: Entrevista na 98FM – Repórter 98

Rua Carlos Chagas, 3466, Candelária

terça-feira, 8 de julho de 2014

Deputada Sandra Rosado integra Subcomissão da Classe Trabalhadora

(A) A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados instalou recentemente a Subcomissão da Comissão da Classe Trabalhadora, que tem como presidente o deputado Assis Melo (PCdoB-RS), e vice-presidentes os parlamentares Moreira Mendes (PSD-RO), Sandra Rosado (PSB-RN) e Osmar Serraglio (PMDB-PR). O relator será o deputado João Paulo Lima (PT-PE). 


A subcomissão tem como um dos objetivos agilizar o processo de votação de 180 projetos, a maioria deles de forma conclusiva, cujos interesses são da classe trabalhadora brasileira.
A equipe tem até o final do ano para propor votações e projetos que aglutinem propostas em análise. A reunião foi acompanhada por representantes de centrais sindicais, e o presidente da subcomissão garantiu que representantes dos empresários também serão ouvidos.

A Comissão de Constituição e Justiça também aprovou o Projeto de Lei nº 6.614/13, de autoria da deputada Sandra Rosado, que denomina o município de Mossoró como “Capital do Semiárido”. O PL já havia sido aprovado, no início de abril, na Comissão de Cultura da Câmara. Como a proposta foi aprovada em caráter conclusivo, ela segue para o Senado. O texto só será analisado pelo Plenário da Câmara em caso de recurso. 

De acordo com a deputada, a cidade de Mossoró tem importância econômica, social e cultural, e, ao se tornar, reconhecidamente, capital do semiárido, beneficiará a região como um todo. “Vai atrair investimentos, estimular a geração de empregos, melhorar a infraestrutura e promover as políticas sociais”, enfatizou a parlamentar. (Fonte: Jornal O Mossoroense de 07 de julho de 2014).

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Artigo: O novo, a mudança

(A) Na campanha que se inicia oficialmente nesse fim de semana, mais precisamentre sobre a sucessão estadual, alguns tentam pautar o debate pelo índice de rejeição de um candidato ou de outro. Quem perde com isso é, principalmente, a democracia. Não deveriam se nivelar por baixo. Recordo-me fortemente da eleição presidencial de 2010, quando assuntos como economia, saúde, educação, segurança e infraestrutura deram lugar ao debate acerca do aborto, casamento e homossexualidade.

Os principais concorrentes majoritários no RN estão na chapa PMDB-PR-PSB e PSD-PC do B-PT. Para falar sobre renovação ou mudança, fico me perguntando quem dos principais representa esse sentimento. Robinson Faria não vive sem um mandato há 28 anos; Henrique Alves está há 44 anos na Câmara dos Deputados; Fátima Bezerra exerce mandatos consecutivos há 20 anos; Wilma, com poucos intervalos sem mandato, está há 28 anos em cargos públicos; e João Maia e Fábio Dantas, os vices, estão há menos tempo exercendo cargos eletivos. Todos os concorrentes estão há décadas exercendo cargos públicos. Não há nada de errado nisso. Política é disputa por espaço, pelo poder, pra que se possa pôr em prática o que se acredita ser melhor para a sociedade.

Não acho correto a simples definição da política como direita contra esquerda, certo contra errado, velho contra novo. Não estamos mais nos tempos de monarquia onde os que estavam à esquerda do rei eram a favor de mudanças pelo povo e os que estavam à direita preferiam deixar como estava, povo lá, corte cá. Os tempos são outros. As necessidades e o debate, idem. Não acredito em um socialismo sem meritocracia e respeito à economia, como não acredito num capitalismo histérico que não olhe para os mais necessitados, que não trabalhe pelo social. Um precisa do outro, um pode completar o outro. O que menos interessa é a simpatia de A ou de B. A capacidade de agregar, unir, convencer e gerenciar os problemas e soluções é o que qualquer governo precisa. Não se precisa de gerente, mas de líderes que possam ter seus gerentes.

Pouco importa quantos anos tem cada um dos candidatos ou há quantos anos está na política. Conheço políticos de muita idade com perfil inovador, mas também conheço políticos novos na idade e no tempo de exercício da política que se utilizam das mais retrógradas e degradantes formas de se fazer política. A pergunta a ser feita é: quem tem mais condições necessárias para que o nosso Estado volter a crescer? Quem, no Rio Grande do Norte, merece mais a confiança do povo potiguar para governar o Estado? De 2008 pra cá, cidades como Natal e Mossoró, o próprio governo estadual, são más experiências do efeito colateral de deslize no oportunismo, no discurso fácil e no oba-oba.

Na corrida presidencial teremos grandes nomes debatendo: Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), além de Pastor Everaldo (PSC), Luciana Genro (PSOL), Eduardo Jorge (PV) e Levy Fidelix (PRTB). A esperança é que o debate não se apequene, não se tente promover o debate de passado contra passado, deixando de fora assuntos necessários para a retomada do crescimento brasileiro, como as tantas reformas do Judiciário, tributária, mudanças na economia.

É muito o que se precisa debater. O Brasil está entre os que menos cresceram na América Latina e o Rio Grande do Norte apresenta números aterradores na saúde, educação, segurança, turismo, economia. O eleitor não pode se deixar levar pelo debate rasteiro. O novo pode estar num candidato com anos de estrada, assim como o velho pode estar dentro daquele que prega renovação. A guerra de informação ajuda a embaralhar a cabeça das pessoas, mas não há como fugir. O povo brasileiro escolherá os nossos governantes. (Artigo do vereador Lairinho Rosado no jornal O Mossoroense de 06 de julho de 2014).

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Eduardo e Marina registram candidatura confiantes na vitória

(A) Presidente Nacional do PSB e candidato à Presidência da República pela coligação Unidos Pelo Brasil, Eduardo Campos, registrou formalmente sua candidatura, que tem a ex-senadora Marina Silva, da Rede Sustentabilidade, como candidata a vice. Os dois estiveram juntos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília, onde protocolaram o registro, entregaram uma cópia das diretrizes do futuro programa de governo e fizeram uma visita de cortesia ao presidente da corte, José Antônio Dias Tóffoli. 

Em conversa com jornalistas, Eduardo foi afirmativo ao comentar resultados da última pesquisa Datafolha: para ele, a sondagem indica amplo potencial de crescimento de sua candidatura. “Há ainda um nível de desinteresse da sociedade brasileira muito grande no debate sucessório. E há candidatos com níveis muito diferenciados de conhecimento”, comentou. “Então quando a gente analisa a pesquisa por dentro, fica muito animado. Quando a sociedade começar a debater a sucessão, a conhecer a nossa aliança, saber que eu e Marina estamos juntos em torno de ideias que vão mudar o Brasil, nós vamos ganhar a eleição e, mais que vencer a eleição, nós vamos fazer o Brasil vencer a partir de primeiro de janeiro”, avisou.

O presidenciável chegou ao TSE acompanhado pelo senador Rodrigo Rollemberg (PSB), candidato da coligação ao governo do Distrito Federal, e outros dirigentes do PSB, da Rede e dos partidos que apoiam sua candidatura. A coligação Unidos pelo Brasil é integrada também pelo PPS, PPL, PRP, PHS e PSL. “Hoje é um dia muito importante. Nós viemos à Justiça eleitoral para entregar o registro, fazer o registro oficial das nossas candidaturas, e para firmar um compromisso com o povo brasileiro de fazermos uma campanha limpa, que fale a verdade, uma campanha que una o Brasil, para mudarmos o Brasil”, afirmou Eduardo.


“É com esse sentimento que aqui estamos para assumir diante da Justiça e da sociedade brasileira o compromisso de fazer uma campanha que vai debater as ideias, como o Brasil poderá ser e será melhor no futuro”, frisou. Eduardo agradeceu a população pelas contribuições à formulação do plano de governo, que está em fase final de montagem. “Essas ideias vão ser transformadas em realidade na vida das pessoas a partir do dia primeiro de janeiro, com a mudança que a sociedade brasileira vai ajudar a fazer”, comentou, após conversar com o presidente do TSE.

GOVERNO SEM AMARRAS

Questionado por jornalistas, Eduardo reconheceu, mas minimizou a importância do tempo de televisão para um projeto presidencial como o seu, que se sustenta no compromisso com um novo modo de fazer política. “Para fazer a campanha é mais difícil com dois minutos de televisão”, admitiu. “Mas para fazer o governo será muito melhor, por que nós vamos fazer um governo sem as amarras e os compromissos de quem trocou tempo de televisão por propostas fisiológicas, patrimonialistas, por compromisso com o atraso na política”, frisou o socialista. “É melhor ter dois minutos de televisão e poder entregar ao povo a partir de primeiro de janeiro, que ter muitos minutos de televisão e frustrar a população depois de ganhar a eleição”.

O presidenciável demonstrou confiança na ampliação do debate em torno do futuro do país e espera que a população esteja mais interessada no processo eleitoral a partir de agosto. “Nós vamos ver o debate ganhar as ruas no Brasil, ganhar a presença no cotidiano da população. Isso vai se dar no final de agosto, início de setembro. E ali você vai ver que a entrada do povo na campanha vai fazer a diferença. O povo brasileiro vai entrar no debate, vai fazer a mudança e vai optar pelo novo, pelo que pode fazer a mudança para o futuro”, afirmou. “O Brasil quer mudar, mas o Brasil não quer mudar para o passado. O Brasil quer mudar para o futuro, levando para esse futuro tudo o que construímos de bom: estabilidade, Bolsa Família, Prouni, liberdade de expressão. Mas nós queremos combater a corrupção e a paralisia da economia brasileira”. (Fonte: Assessoria de Imprensa do PSB Nacional).